Giovanni Martins, estudante da 3ª série do Ensino Médio do Colégio Batista Mineiro Unidade Ouro Branco, conquistou o segundo lugar da edição 2018 do Prêmio Jovem Solista da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais (OSMG). No próximo dia 11 de julho, às 20h30, ele fará uma apresentação no Grande Teatro do Palácio das Artes, em Belo Horizonte, dentro da programação da série Sinfônica e Lírico em Concerto para Jovens Solistas da OSMG. Esta é quinta vez que o jovem de 18 anos é premiado por seu talento com o oboé.

O prêmio mineiro é um dos mais importantes para os jovens da música erudita, pois dá a oportunidade aos vencedores de se apresentarem ao lado de corpos artísticos profissionais, revelando o talento para o público, a crítica especializada e o mercado de trabalho. “Estou muito feliz com o prêmio, porque é um incentivo para nós, músicos, que tanto batalhamos para conquistar o nosso sonho. Essa conquista é muito gratificante”, afirma Giovanni, que subirá ao palco com a orquestra e o Coral Lírico de Minas Gerais, sob a regência do maestro convidado Roberto Tibiriçá.

Hoje, juntamente com a grande dedicação ao oboé, Giovanni conta que há alguns valores que têm sido essenciais para o sucesso da carreira. “Além das disciplinas curriculares do Colégio Batista, aprendemos muito sobre ética e respeito ao próximo. Isso tem me ajudado no desenvolvimento da minha carreira e me dado força para continuar sem perder a essência”, destaca ele, que tem planos de prosseguir os estudos da música fora do Brasil. “Meu sonho é estudar na Alemanha, para fazer parte da Orquestra Filarmônica de Berlin e conseguir rodar o mundo por meio da música, do oboé. Estou trabalhando para chegar lá e creio que vou conseguir”, frisa o estudante.

A primeira vez em que o jovem foi premiado como oboísta foi aos 13 anos de idade, quando venceu como Jovem Solista revelação pelo mesmo concurso da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais. Em 2017, o instrumentista conquistou três prêmios: Jovem Músico BDMG (Minas Gerais), 18º Festival Eleazar de Carvalho (Fortaleza) e o primeiro lugar no I Concurso Nacional de Palhetas Duplas da ABPD (João Pessoa). E pensar que tudo começou com um oboé que a mãe de Giovanni conseguiu comprar do filho da patroa. “Agradeço muito a Deus por ter colocado o oboé em meu caminho, porque hoje essa é minha paixão. Para mim, música envolve o coração, os sentimentos. Talvez a pessoa está ali num dia ruim e, quando a gente consegue tocar o coração dela, já traz uma felicidade para a pessoa e para o músico também”, finaliza o instrumentista.

Tags: